Friday, December 28, 2007

Mysterium Tuatarensis

Acerco-me de uma rua estreita e pouco iluminada, mas com inúmeras lojas de recordações e cafetarias empilhadas ao longo do passeio. Transeuntes dormem, absortos, à medida que caminham. Onde fica o Tuatara? Para a direita. Não. Para a esquerda. Continua nesta rua que estás bem. Decido continuar o meu caminho para não me atrasar.

Porém, ao longo da rua, reparo em algo inusitado: um manto luminoso envolve todas as portas da rua. Pequenas velas foram colocadas à entrada das lojas, iluminando a rua, já amarelecida pelo findar do dia. Talvez fosse uma pequena festa que os comerciantes da primeira geração decidissem fazer em louvor dos objectos antigos, da antiguidade deste país que já vai em oitocentas gerações de pedras. Entro na primeira que aparece.

Uma edição antiga d'Os Lusíadas entra-me nos olhos como se chamasse por mim. O que deseja? pergunta um senhor de olhos pequenos, com uma camisa branca estilo anos 60, bem retro. Caminha lentamente, como se o tempo tivesse terminado, quase em câmara lenta, pensando cada passo, decidido, mas prudente na inspecção da minha pessoa.

Nada, apenas olhar o livro. É tão antigo. É. Se o senhor quiser, posso mostrar-lhe uma coisa que tenho aqui atrás. Edições antigas de Herculano, Garrett, Fernando Pessoa. Quer ver?

Caminho de peito erecto, decidido, apesar de estar atrasado. Aliás, se calhar nem sequer iria à festa do Tuatara. É uma seca dançar com desconhecidos e ir a sítios apenas porque se vai. Decido acompanhar o dono da loja.

Caminhamos por um corredor estreito, até que, no fundo, vislumbro uma porta com um símbolo gravado no meio. Ele abre-a. Dá para um beco cheio de caixotes e caixas de papelão empilhadas. Pode sair. É aqui. Saio, com os olhos rendidos à maravilha que via. Dezenas e dezenas de volumes escancaram o pó perante o meu corpo indefeso. Até que ouvi um baque. A porta é fechada com um estrondo e, posteriormente, encerrada à chave. Mas que?... Não é preciso tanto. Grito. Não me feche cá dentro!...

Resignado, fico um bocadinho no beco, escrevinhando e tomando notas. Encontro, de facto, aquilo que queria, mas porque raio a porra do velho me tinha fechado a porta? Normalmente, fica encostada ou ligeiramente fechada ou um pouquinho aberta para deixar escapar as moscas... Decido inspeccionar o local, pouco recomendado para jovens virgens e estudantes saídos da universidade, desejosos que estão de ter um emprego estável e dinheiro ao fim do mês. Provavelmente, eu seria uma espécie de Johnny Depp caçador de tesouros e livros antigos. Roubo um de demonologia, que se insurgia para mim, levantei-me do chão e avancei para o interior do beco. No fundo, não visível anteriormente, diviso uma portada que anunciava um conjunto de degraus. Parecem intermináveis, enormes. Continuo. Afinal de contas, já que estou aqui, devo inspeccionar o local, que parece tão interessante e apelativo para um caçador como eu.

Grito, canto, ouço o meu eco, disperso os sentidos, escrevinho mais um pouco. Até que, de repente, quase tropeço numa lanterna que encontrei no chão. Fixe. Vou descobrir a passagem para o Reino dos Templários (com um rugido grunhento próprio de quem goza com o escuro). Finalmente, ao fundo, as escadas terminam e vejo uma porta. Aproximo-me. O que será que está por detrás dela? As obras do Metro? A casa subterrânea de algum rei esquecido? Um local para um ritual demoníaco? Talvez estas perguntas sejam apenas perguntas, mas o que me aflige é a minha curiosidade que se exacerbava, mesmo tendo em mente que poderia correr perigo. Abro a porta. Com a lanterna, ilumino a sala. Parece um claustro monástico, bastante antigo, mas um pouco frio. Muitos trapos velhos e velhos lençóis empilhados por todo o lado. Provavelmente, seria a habitação de algum monge eremita, que decidisse habitar debaixo da terra, assim como no Mosteiro dos Capuchos, em Sintra. Mas, não. Estamos na porra da cidade de Lisboa e ninguém vive debaixo da terra como um monge, muito menos debaixo de um prédio de 5 andares.

No meio da sala, uma mesa e um livro. Decido ler um pouco. O Retrato de Dorian Gray, de Oscar Wilde. Folheio lentamente as páginas, enfeitiçado pelo poder das palavras. É estranho, li quase toda a obra de Oscar Wilde, mas nunca me apeteceu ler este livro. Talvez, agora fosse o momento indicado para o fazer. Uma hora passa-se. Duas. Três. Li o livro, como se das páginas se fluísse um chamamento.

Quando o acabei, ouço uma voz que me sussurra aos ouvidos e quase me estremece o corpo. Vai para a passagem secreta. Levanto-me. Ao longe, vejo um pequeno túnel que se estreitava para a minha esquerda. Entro e, de repente, vejo ainda mais outro e mais uma porta.

Quando a abro, deparo-me com a maior surpresa de toda a minha vida: à minha frente, vejo aquilo que parece ser a minha imagem, mas bastante mais velho, com pequenos fios de cabelos brancos. Digamos dez anos mais velho, com a pele cansada e um pouco agastado. Pensei no que aquilo poderia ser: eu sempre me preocupei em descobrir a verdade, mesmo que tal me corroesse. Sempre me preocupei em olhar, ler, conhecer, revelar. Choro um pouco. Não quero ser (apenas) assim, não quero ser tão agastado e seco. Belo, mas seco e sem vida.

Quando toco naquilo que eu poderia ser, mas que ainda não o era, na minha cara rota de peles, ela foge. Grita.Para onde vais? Para onde vou, murmuro eu. Calo. Calo-me. Algumas palavras imperceptíveis de chamamento. Choro mais uma vez. Caminho mais uma vez.

Um pouco mais à frente, como que anunciando um vento forte, vislumbro uma outra porta. Já não me importo com o que venha. Posso morrer à vontade. Abro-a. Quando entro, vejo várias mesas de mármore e estatuetas espalham-se ao longo dos arbustos e das pequenas frondosas árvores. A estátua do Pensador, de Rodin, no centro. Aproximo-me.

O caminho anuncia uma larga avenida que dá para uma pequena torre lá à frente. Talvez seja um simulador de Paris, com o Pensador simbolizando tudo o que eu mais queria fazer: pensar, pensar, pensar. Corro, corro, corro. Aproximo-me da torre, cada vez maior, mas, ao mesmo tempo, serena. Abro uma pequena porta (mais uma! - estes locais são o paraíso das portas, só pode ser!) e subo por umas escadas em espiral. Subo, subo, subo, cada vez mais, cada vez com mais rapidez, mas com menos força. No final, uma porta verde e a entrada de um quarto bem mobilado, com móveis antigos e com livros nas estantes. No fundo do quarto, um armário e, por detrás, um pequeno cofre. Abro-o. E encontro um livro. Mais um livro. Que diz,

"dorme e sonha. Bem-vindo à tua própria torre".

Quando acordo, o velho olha-me, sobressaltado. Finalmente! Encontrou o que queria?

FIM

1 Comments:

Anonymous CresceNet said...

Hello. This post is likeable, and your blog is very interesting, congratulations :-). I will add in my blogroll =). If possible gives a last there on my site, it is about the CresceNet, I hope you enjoy. The address is http://www.provedorcrescenet.com . A hug.

8:33 PM  

Post a Comment

<< Home